Home » , , , » Chinês, viciado em jogos online, vive à seis anos num cibercafé

Chinês, viciado em jogos online, vive à seis anos num cibercafé

Chinês, viciado em jogos online, vive à seis anos num cibercaféUm jovem chinês, Li Meng, viveu os últimos seis anos dos 30 que já tem, num cibercafé na sua cidade natal, Changchun, capital da província de Jilin, e passou todo esse tempo a jogar jogos online.

Segundo o jornal chinês "Beijing Times", foram especialistas de uma universidade que descobriram Li Meng. No entanto, eles não conseguiram ajudá-lo, pois o homem recusou-se a visitar um psicólogo. Os investigadores apenas conseguiram relatar este insólito caso à imprensa.

O proprietário do cibercafé e outros clientes dizem que Meng abandona as instalações do ciber apenas ocasionalmente para comprar fast food e tomar banho. Ele inclusive dorme ali, com a cabeça sobre a mesa. Não sai do cibercafé nem para celebrar grandes datas, como o ano novo, por exemplo. Toda a gente afirma que ele está sempre muito quieto, totalmente imerso no seu jogo, e toda a gente já está tão acostumada a ele que nem sequer dão pela sua presença.

O jornalista do jornal "Beijing Times" que foi ao local ver e falou com o jovem, conta que durante toda a conversa Meng manteve os olhos colados ao computador e não se mostrou muito dispoto a falar. Apenas comentou que jogar online lhe dá mensalmente uns 2000 yuanes (uns 320 dólares) e que o aluguer do computador tem um gasto de 500 yuanes (uns 80 dólares)

Vale ressaltar que os jogadores profissionais Chineses ganham a vida através da obtenção de bonus virtuais que depois revendem aos jogadores Europeus e dos EUA por dinheiro real.

Desde 2008, a lei chinesa qualifica o vício da internet e dos jogos online como um transtorno mental. As autoridades estão a tentar remediar a epidemia, impondo restrições sobre aqueles que querem abrir novos cibercafés. Além disso, no país operam centenas de centros de reabilitação para viciados em Internet. Até 2009 estes centros aplicavam choques elétricos como um dos métodos de tratamento.

*Fonte

Comentário(s) :

0 comentários:

Enviar um comentário

Subscrever o Blog